Blog
Ufla Júnior

Reserva de emergência: O que é e qual sua importância

23 de Abril de 2020 9:02

 

Você sabe o que é reserva de emergência ou, como também é conhecida, reserva de contingência? O termo parece ser confuso, mas é uma coisa bem simples: contingência significa eventualidade, um acontecimento que pode ou não vir a acontecer, é uma coisa incerta, que não se tem controle e nem se pode prever.

Portanto reserva de contingência, ou de emergência, significa destinar parte do lucro líquido à formação de uma reserva com a finalidade de compensar, em exercício futuro, a diminuição do lucro decorrente de perda julgada provável, cujo valor possa ser estimado. Com essas reservas, há uma grande chance da empresa se garantir diante a uma variação grave de cenário.

E, quando falarmos em reserva de emergência, devemos levar em conta também o gerenciamento de riscos, pois para uma boa administração é preciso avaliar todas as futuras possibilidades, mesmo que elas não sejam favoráveis.

Para se ter noção de quais são todos os seus riscos é feito um registro de riscos (uma lista com todos os possíveis riscos que possam acontecer com um projeto ou uma empresa, determinando sua prioridade, gravidade e probabilidade de ocorrência) e tudo isso serve para sabermos o quanto devemos ter em nossa reserva; quanto maiores os riscos maior deverá ser a reserva. E para um bom gerenciamento de riscos, é preciso três de ações:

  • Identificação de risco
  • Análise de risco
  • Planos de resposta ao risco.

 

Aprendendo como se calcula essa reserva

Para a reserva de emergência, percentual também é a forma de calcular. Depois de mapear todos os riscos, é preciso analisar qual o percentual de probabilidade do risco ocorrer e o que isso representa em termos financeiros. Aqui estão alguns exemplos que podem ser avaliados:

  • Experiência no processo
  • Tamanho do projeto/empresa
  • Experiência da equipe
  • Mercado
  • Possíveis crises

Devemos sempre lembrar que não é ideal utilizar as reservas a menos que seja preciso, pois elas não fazem parte do seu lucro e devem ser usadas apenas em casos de emergência.

 

Ana Clara Galvão de Souza

Compartilhe este artigo